tópicos necessários

Quais os tópicos necessários em um parecer descritivo?

A escrita de um parecer descritivo é algo complexo. Deveria ser um momento de reflexão do professor sobre o desenvolvimento do seu aluno e sua própria prática.

Mas como construir, na prática, um bom parecer avaliativo? Quais os tópicos necessários? Trarei aqui uma explanação que servirá como base para você criar seu próprio parecer descritivo sem medo.

Questionamentos prescrita:

Antes de se preocupar realmente com a montagem do parecer, você precisa ter clareza quem é aquela criança na sala de aula. Saber quais as facilidades e dificuldades que esta apresenta, assim como suas preferências e modos de agir e interagir.

Alguns professores usam anotações diárias ou semanais sobre cada criança, para no momento da escrita do parecer, ser mais fácil ter uma ideia geral dos avanços de cada aluno. Fazer esse tipo de anotação sistemática, nem sempre é possível. Assim eu costumo anotar apenas tópicos e situações diferenciadas.

Além das observações do dia a dia, eu utilizo bastante as produções realizadas pelas crianças para acompanhar seu desenvolvimento. Analiso os primeiros desenhos, recortes, atividades com números ou letras e comparo aos últimos. Deste modo é possível ter uma visão ampla se a criança tem evoluído ou não em seu conhecimento.

É importante que façamos duas reflexões básicas durante a escrita de uma avaliação.

  1. Fazer uma análise do quanto aquela criança alcançou de acordo com o que é esperado para sua faixa etária. Ex. Sua fala é adequada para a idade? Sua coordenação motora é o esperado para a idade?
  2. Fazer uma análise do avanço individual da criança. O quanto ela evoluiu em si mesma. Ex. Sua fala sendo ou não adequada para a idade, ela adquiriu novos fonemas? Teve avanço no seu vocabulário? Quais?

Com essas duas perspectivas claras, fica mais fácil construir o parecer individual de cada criança, pois dará aos pais uma melhor compreensão de onde seu filho se encontra no aprendizado. E também irá ajudar a professora a refazer seu plano diário para tentar suprir as dificuldades de sua turma.

Exemplo:

Fulaninho aprendeu palavras novas, consegue se expressar através de frases mais complexas. Porém alguns fonemas, como “T” ainda esta em construção.

O azul representa o avanço específico daquela criança, enquanto o roxo representa o que se esperava que ele deveria ter alcançado de acordo com sua idade.

Deste modo o parecer mostrar como aquela criança avança por si, mas também demonstra se tem algo a se prestar atenção ou não de acordo com o desenvolvimento esperado.

 

Quais tópicos devemos por em um parecer descritivo?

No caso da educação infantil  nos focar nos eixos do conhecimento estabelecidos pelo MEC facilita nossa avaliação. No ensino fundamental analisar o desenvolvimento do aluno diante dos objetivos do bimestre/trimestre ajudará que nosso parecer seja objetivo e que contenha o que realmente importa.

Lembre que cada nível de ensino tem seus próprios objetivos a serem alcançados, dentro de um grupo maior que é os eixos ou o currículo. Assim use como base seu plano de ensino. Isso facilitará a reconhecer em que nível do conhecimento era esperado para sua turma.

Tópicos gerais:

  • Aprendizagem: Observe quais objetivos as crianças alcançaram de acordo com seu plano de aula ou os eixos de ensino. Ex.: Foi ensinado pontuação, como a criança compreendeu esse conceito? Ela teve um desempenho positivo, compreendeu em parte, apresenta ainda dificuldade. Não precisa ser colocado todos os “conteúdos”, faça blocos de assuntos. Explicando como a criança está de modo geral nos conhecimentos de português, matemática, em sua autonomia…. Apenas se detenha em algum ponto específico se a criança apresenta uma dificuldades marcante nesse conteúdo ou um avanço não esperado (foi ensinado vogais, mas a criança escreve palavras complexas).
  • Comportamento: Faça um pequeno parágrafo sobre como essa criança interagem com as outras crianças, com você e em determinadas situações. Ex. Sabe ouvir, consegue esperar sua vez, demonstra frustração ao errar? Aproveite para demonstrar os aspectos positivos e também o que essa criança tem a melhorar em seu comportamento.
  • Interesses e rotina: Comente sobre os interesses ou não dessa criança durante a rotina. Gosta de ler? Apenas se concentra em atividades motoras? Reluta em dar sua opinião? Dorme muito? Come bem?

Dicas para comunicar dificuldades:

Nunca faça juízo de valores, apenas exponha os comportamentos. Não diga que uma criança é agressiva ou preguiçosa. Relate pequenas situações que mostre aos pais o comportamento indesejado.

Tenho uma fórmula básica, que serve para comunicar qualquer situação. Principalmente as desagradáveis.

  1. Relate a situação
  2. Comente a reação da criança
  3. Se precisar, explique o que foi feito sobre a situação

Usando essa fórmula nos apoiamos em situações concretas para demonstrar aos pais como seu filho age/como enfrenta as situações. Além de darmos uma “luz” aos pais como nós, professores, nos posicionamos diante da situação.

Seja objetiva no relato, não use detalhes. Faça um relato de uma situação geral, que costuma acontecer. Deixe os detalhes para conversas posteriores com esse pais. Pois há muitos casos que precisamos ter conversas francas com esses pais para podermos fazer uma frente positiva de ação diante dessa criança.

Exemplos:

Ex1. Demora-se ao fazer as atividades, e ao ser cobrado reluta em terminá-las. (aqui tentamos demonstrar aos pais as dificuldades da criança em realizar as atividades propostas)

Ex2. Durante disputas por brinquedos costuma gritar e empurrar os colegas, quando a professora conversa com ele, fulaninho, reluta em pedir desculpas. (explicamos comportamentos agressivos e o modo como essa criança lida em situações de conflito)

Ex3. Ao ser feita uma pergunta, ela se mantém quieta. Apenas quando a professora insiste, e relembra-a que não importa errar, que Fulana, com a voz baixa diz a resposta. (Explicamos a dificuldade dessa criança em se expor e o medo em errar)

Cada nível de educação tem suas especificidades. Assim em um parecer do berçário os aspectos da rotina terá maior importância do que nos anos iniciais. O segredo para um bom parecer é observar sua turma e refletir o que eles tem alcançado durante o período avaliado.

Concentre-se nas conquistas das crianças. Se precisar escrever algo desagradável, primeiro reflita se é mesmo algo importante. Seu comunicado desagradável tem o objetivo de pedir uma parceria aos pais para trabalhar essa criança? Tem o objetivo de esclarecer a necessidade de uma ajuda de especialista? Se sim, são importantes de serem relatadas. Apenas evite fazer um relato negativo de uma situação que já foi resolvida e não é uma constante no comportamento.

Confira nossos outros textos sobre pareceres descritivos e reflexões sobre avaliação AQUI.

Conte-me suas dificuldades ou soluções, nos comentários. Adorarei refletirmos.

 

Comments

comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *