Vamos falar dos doces

Vamos falar dos doces?

Estamos em outubro, algumas escolas irão comemorar o Halloween, uma festa divertida e regada a guloseimas. Essa é uma boa oportunidade para refletirmos sobre a alimentação de nossas crianças. Vamos falar dos doces?

Vamos falar dos doces e seu malefícios:

Os órgãos de saúde advertem dos males do consumo excessivo do açúcar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta para as crianças não passarem de 37g diária de açúcar, o que equivale a 7 colherinhas de chá.

Mas quanto de açúcar está escondido em cada alimento? Nessa imagem dá pra ter uma ideia, de que um  simples refrigerante ou pacotinho de biscoito já ultrapassa a quantidade recomendada. E atualmente as crianças comem mais de um desses por dia, não é mesmo?

Vamos falar dos doces

Mas e daí, é só um pouco de açúcar? Não faz tão mal. Será?

Pediatras da Escola de Medicina da Universidade de Yale encontraram em seus estudos alguns resultados interessantes. “Um exame das ondas cerebrais de crianças, logo após elas terem comido doces e bebido refrigerantes, revelou, na grande maioria dos casos, mudanças significativas na capacidade de concentração.” (Guia do Bebê)

A ingestão de açúcar não afeta apenas o humor das crianças, mas também sua saúde como veremos abaixo:

1. Mudança de Humor:

“Quando se consome o açúcar, o corpo produz um ciclo vicioso: há um desequilíbrio da produção de dopamina, que traz bem estar repentino e com uma queda em seguida, que exige que o corpo consuma mais açúcar. São altos e baixos de dopamina, que fazem com que a criança se sinta muito bem e cheia de energia num momento, para em seguida deixá-la estressada e irritada.” (Tudo Ela)

2. Dificuldades de se concentrar e agitação motora:

Dificultando a aprendizagem. Uma criança cheia de açúcar está com a dopamina a mil, o que faz com que ela tenha que gastar essa energia. Seu corpo pede por movimento e sua mente está inquieta, como queremos que ela sente e se concentre nos estudos?

3. Aumenta o risco da criança desenvolver doenças:

A epidemia de crianças obesas, com diabetes tipo 2 (que antigamente era uma doença apenas dos adultos), colesterol elevados, pressão alta, dano no pâncreas, são todas doenças causadas principalmente pelo excesso de açúcar. Além do aumento das cáries.

4. Pobreza de nutrientes:

Os alimentos industrializados e doces como bolachas recheadas, balas, pirulitos, refrigerantes são pobres em vitaminas, minerais e nutrientes essenciais para a boa saúde da criança. Ela está comendo algo cheio de açúcar no qual o corpo não aproveitará nada, mas esta criança não terá fome. Assim ela vai se enchendo de más comidas, ficando fraca e doente.

Sei que as crianças amam, assim como os adultos e que afastá-los dos doces é quase impossível, mas é certo oferecermos tanto doce para as crianças?

Mas as crianças adoram, o que fazer então?

Em primeiro lugar, as crianças aprenderam a comer doces por que os adultos ofereceram. Assim evitemos oferecer comidas doces, principalmente as industrializadas o tempo toda para as crianças, deixemos essas guloseimas como algo esporádico.

Como ajudar as crianças a ingerirem menos doces e serem mais saudáveis:

  • Evite dar lembrancinhas às crianças em que a base seja balas, pirulitos e chocolates.
  • Evite presentear “bom comportamento” ou “conquistas escolares” com doces.
  • Prefira oferecer frutas ou alimentos naturais como lanche ao invés de pacotes de bolachas, sucos prontos…
  • Faça projetos alimentares que incentivem o consumo de alimentos saudáveis. Nosso paladar é treinado, e assim ajudamos as crianças a terem melhores escolhas. (Confira algumas ideias de atividades sobre o tema, AQUI)
  • Em sua casa, restrinja a ingestão de doces para uma ou duas vezes na semana. Afinal ninguém precisa de sobremesa e lanchinhos doces todos os dias.

No começo pode parecer uma tarefa difícil, principalmente se a criança e os adultos a sua volta fazem do consumo do açúcar um ato de prazer. Mas penso que esse esforço vale a pena, pois queremos que nossas crianças sejam adultos saudáveis, não queremos?

Deixem nos comentários que outras estratégias conhecem para afastar o consumo excessivo de açúcar de nossas crianças, para assim ajudar outros professores e pais.

Abraços, Shana Conzatti.

Links de textos interessantes com artigos científicos sobre o assunto:

Comments

comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *