comemoramos as festas Juninas

Por quê, comemoramos as festas Juninas?

 Desde a época colonial, comemoramos no Brasil, estas festas. Levam este nome, pois são realizadas no mês de junho. Hoje em dia, algumas  vezes elas são comemoradas, principalmente nas escolas, em julho, antes das férias escolares, passando a se chamarem então de  festas Julinas.

É uma festa tradicional e popular , que mistura o catolicismo de algumas partes da Europa, com as tradições rurais, do interior do Brasil.  A festa de S. João ( 24 ) é bastante comemorada aqui no Brasil desde 1583, principalmente no Nordeste brasileiro. Foi introduzida  pelos portugueses e espanhóis, como uma forma de agradecer aos santos do mês, pelas colheitas do meio do ano.

E é  também comemorada  em vários países do mundo, como: Espanha, Paraguai, Bolívia, Chile, Peru, Venezuela , Argentina e Cuba. Na Argentina, da mesma forma que na Espanha, celebram o solstício de inverno no hemisfério sul, na noite de 21 de junho e de verão no hemisfério norte.

 E a fogueira, de onde vem? A fogueira é o maior símbolo das festas juninas. E por isso que é um dos símbolos mais presentes nestas festas, que geralmente são posicionadas no centro das festas.  Para os católicos, ela faria parte  de um trato feito entre as primas Isabel e Maria, que a primeira que tivesse o filho ,acenderia a fogueira , para avisar a outra e assim obter ajuda. Isabel foi  a primeira que acendeu a fogueira sobre o monte para avisar a Maria do nascimento de São João Batista. .Também tem o significado do fogo purificar os pecados e render culto ao sol. Os argentinos organizam fogueiras nos bairros ou praças, ao redor dos quais se reúnem muitos jovens pra se aquecerem. Na Bolívia, as fogueiras foram substituídas por churrasqueiras devido ao perigo de incêndio e intoxicação pela fumaça.  Alguns lugares comemoram ainda, Santo Antônio (13) e  São Pedro e São Paulo (29 ), fazendo assim, festas durante o mês todo. 

Geralmente a festa acontece na rua, no “ arraial “, com bandeiras coloridas. As pessoas se  vestem  de caipiras. Os homens com roupas remendadas, camisas xadrez, chapéus de palha e as mulheres com vestidos de chita ( tecido rústico com estampas florais ), tranças e flores no cabelo. Pulam fogueira,  dançam a quadrilha ( de origem francesa, inspirada nos bailes da nobreza europeia e trazida pela família real, no início do século XIX  ) e a dança das fitas. Tem o correio elegante, a cadeia, as barraquinhas de brincadeiras : Pescaria, Palhaço Bocão, mão no saco, tiro alvo, boliche,etc. Fazem o casamento na roça e atiram bombinhas, fogos de artifício e rojões ( os pais devem estar sempre atentos ao perigo de acidentes, em relação a isto. Melhor só os adultos manipularem este tipo de coisa).

Comem comidas típicas, com produtos cultivados nas regiões interioranas. Por isso, várias são as comidas típicas, dependendo da região. Pra citar algumas : Paçoca de amendoim, pé de moleque, amendoim doce, pé de moça ( a base de amendoim) e pamonha, canjica, bolo de milho, milho cozido ou assado, bolo de milho, pipoca ( a base de milho), batata doce assada, aipim e pra tomar o vinho quente ou quentão. Confira as receitas especiais para essa época no link.

 É uma festa com uma grande diversidade cultural , vinda de tradições de vários povos do mundo, como: influência chinesa, nos fogos de artifício . A indígena ,na comida: milho, aipim, batata doce. A  herança negra na dança, como o forró, boi-bumbá. A dança das fitas e o quindim, de Portugal, e a dança da quadrilha da França

Pela grande variedade de cores, guloseimas, brincadeiras e danças, geralmente as crianças adoram esta festa. Então, é legal comemorar na escola, no bairro, nos clubes e nos condomínios, pois é um momento de descontração e alegria, para a família, e onde todos podem participar juntos. Deixamos, aqui, algumas sugestões de brincadeiras fáceis de organizar.

Eu e a equipe do Educa Criança, esperamos que todos se divirtam muito!!!! Um grande abraço,

                                                                                                                   Lilian Giulian Conzatti

 

Comments

comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *